Pieloplastia Laparoscópica

A Pieloplastia Laparoscópica é uma maneira de realizar uma cirurgia reconstrutiva de um estreitamento onde o ureter (o tubo que drena a urina do rim para a bexiga) se liga ao rim através de um procedimento minimamente invasivo.

Esta operação é usada para corrigir um bloqueio ou estreitamento do ureter onde ele sai do rim. Essa anormalidade é chamada de Estenose da Junção Ureteropélvica (JUP), que resulta na drenagem pobre e lenta da urina do rim. A obstrução da JUP pode potencialmente causar dor abdominal e no flanco, pedras, infecção, pressão alta e deterioração da função renal.

Quando comparada à técnica cirúrgica aberta convencional, a pieloplastia laparoscópica resultou em significativamente menos dor pós-operatória, menor tempo de internação, retorno mais cedo ao trabalho e às atividades diárias, resultado cosmético mais favorável e resultados idênticos aos do procedimento aberto.


Cirurgia

Diagram of surgical procedure on the kidney

A Pieloplastia Laparoscópica é realizada sob anestesia geral. A duração típica da operação é de três a quatro horas. A cirurgia é realizada através de três pequenas incisões (1 cm) feitas no abdômen. Um telescópio e pequenos instrumentos são inseridos no abdômen através dessas incisões, o que permite ao cirurgião reparar o bloqueio / estreitamento sem precisar colocar as mãos no abdômen.

Um pequeno tubo de plástico (chamado de cateter duplo J) é deixado dentro do ureter no final do procedimento para preencher o reparo da pieloplastia e ajudar a drenar o rim. Esse cateter permanecerá no local por quatro semanas e geralmente é removido endoscopicamente. Um pequeno dreno também será deixado saindo do seu flanco para drenar qualquer fluido ao redor do rim e reparo da pieloplastia.


Riscos e potenciais complicações

Diagram of surgery on the kidney

Embora esse procedimento tenha se mostrado muito seguro, como em qualquer procedimento cirúrgico, existem riscos e possíveis complicações. As taxas de segurança e complicações são semelhantes quando comparadas à cirurgia aberta. Os riscos potenciais incluem:

Sangramento: a perda de sangue durante este procedimento é tipicamente menor (menos de 100 ml) e raramente é necessária uma transfusão de sangue. 

Infecção: Todos os pacientes são tratados com antibióticos intravenosos de amplo espectro antes de iniciar a cirurgia para diminuir a chance de infecção após a cirurgia. Se você desenvolver quaisquer sinais ou sintomas de infecção após a cirurgia (febre, drenagem de sua incisão, frequência urinária, desconforto, dor ou qualquer coisa com a qual você esteja preocupado), entre em contato imediatamente.

Hérnia: As hérnias nos locais das incisões raramente ocorrem, pois todas as incisões são fechadas com cuidado ao término da cirurgia.

Lesão de tecido / órgão: Embora incomum, uma possível lesão no tecido e órgãos circundantes, incluindo intestino, estruturas vasculares, baço, fígado, pâncreas e vesícula biliar, pode exigir cirurgia adicional. Lesões podem ocorrer nos nervos ou músculos relacionados ao posicionamento.

Conversão para cirurgia aberta: esse procedimento cirúrgico pode exigir a conversão para a operação aberta padrão se houver dificuldade extrema durante o procedimento laparoscópico. Isso pode resultar em uma incisão aberta padrão maior e possivelmente em um período de recuperação mais longo.

Falha na correção da Estenose da JUP: Aproximadamente 3% dos pacientes submetidos a esta operação terão bloqueio persistente devido a cicatrizes recorrentes. Se isso ocorrer, cirurgia adicional pode ser necessária.

Fonte: Johns Hopkins Medicine