Preservação da fertilidade masculina antes do tratamento do câncer

Ser informado de que você tem câncer pode ser assustador e emocional, especialmente se você quiser ter filhos. Não ser capaz de ter filhos (infertilidade) pode ser um resultado a curto ou longo prazo de alguns tratamentos contra o câncer. Existem opções bem-sucedidas para pacientes com câncer do sexo masculino que desejam preservar sua fertilidade e terem filhos futuramente. Antes de iniciar o tratamento do câncer, converse com seu médico para saber se sua fertilidade pode mudar e suas opções para preservá-la. 

Como o tratamento do câncer afeta a fertilidade nos homens?

Muitas coisas devem acontecer para um casal ter um bebê, e os tratamentos contra o câncer às vezes podem impedir que isso ocorra. Abaixo estão algumas opções comuns de tratamento do câncer usadas para cuidar de alguns problemas de saúde urológicos. Esses tratamentos podem afetar os homens e suas chances de gerar naturalmente um filho.

O que é fertilidade?

Para os homens, fertilidade significa ser capaz de engravidar uma mulher. Tratamentos comuns para câncer, como quimioterapia, radioterapia e cirurgia, podem afetar a chance de um homem fazer isso. Outros fatores como a idade, onde o câncer está localizado e o tipo de câncer também podem afetar a chance do homem de ter um filho naturalmente.


Cirurgia

A cirurgia oferece a melhor chance de remover muitos tipos de câncer, especialmente aqueles que não se espalharam para outras partes do corpo. Mas também pode causar infertilidade se realizada em certas partes do sistema reprodutivo. É importante conversar com seu médico sobre os tipos de cirurgia listados abaixo e como eles podem afetar sua vida sexual e as chances de ter um filho.

Cirurgia para Câncer de Testículo

A remoção cirúrgica de um testículo é feita para quase todos os homens com câncer de testículo. Às vezes, remover linfonodos no abdome e na pelve (dissecção retroperitoneal de linfonodos) também pode fazer parte do programa de tratamento. A maioria dos homens com um testículo ainda pode ter um filho. Nos raros casos em que um homem tem câncer de testículo nos dois testículos e ambos são removidos, ele não será capaz de gerar filhos naturalmente. Mas o banco de esperma antes do tratamento deve ser discutido e tem uma grande chance de sucesso. Para homens que precisam de um Linfadenectomia Retroperitonial, métodos são usados ​​para preservar a ejaculação. Mas alguns homens não serão capazes de liberar sêmen do corpo após a cirurgia. Todas as outras características da experiência sexual (por exemplo, desejo sexual, ereções e pico sexual) permanecem inalteradas. 

Cirurgia para Câncer de Próstata

Para homens que têm câncer de próstata, uma opção de tratamento é remover cirurgicamente a próstata e as vesículas seminais. Isso é conhecido como prostatectomia radical. As vesículas seminais trabalham com a próstata para produzir o sêmen que transporta o esperma do pênis de um homem. Como as glândulas e as vesículas seminais são retiradas, o esperma não é mais capaz de sair fisicamente do corpo do homem para fertilizar o óvulo da mulher. Se você está pensando em cirurgia para câncer de próstata e gostaria de ter mais filhos, converse com seu médico antes da cirurgia sobre preservação de espermatozóides. 

Cirurgia para Câncer de Bexiga

A maioria das cirurgias de câncer de bexiga é feita endoscopicamente na bexiga e retirando o tumor. Para cânceres vesicais invasivos, a opção mais comum de tratamento é remover toda a bexiga, próstata e vesículas seminais (cistoprostatectomia radical). Após essa cirurgia, um homem não seria capaz de gerar filhos naturalmente. A criopreservação de esperma antes da cirurgia é algo a discutir se você gostaria de ter filhos.


Radioterapia

Os tratamentos de radiação usam raios de alta energia para matar células cancerígenas. Abaixo estão os tipos de radiação que podem afetar a chance de um homem ter um filho:

Radioterapia para Câncer de Testículo

A radiação para o câncer de testículo geralmente atinge os linfonodos na parte de trás do abdome. Muito raramente, é usado no próprio testículo. A maioria dos médicos sugere um período de tempo (1-2 anos) após a radiação antes de tentar gerar um filho.

Radioterapia para Câncer de Próstata

Existem dois tipos principais de radiação para o câncer de próstata. Um é chamado braquiterapia e o outro é conhecido como radiação externa do feixe. Ambos podem causar problemas de curto ou longo prazo com a fertilidade. É melhor perguntar ao seu oncologista sobre isso. 


Quimioterapia

A quimioterapia funciona matando as células do corpo que se dividem muito rapidamente. Como os espermatozóides se dividem rapidamente, eles são mais frequentemente prejudicados pela quimioterapia. O risco de quimioterapia causar infertilidade depende da idade do paciente, do tipo de medicamento utilizado e das doses administradas. Converse com seu médico sobre sua situação específica.


Terapia hormonal

A hormonioterapia é um tipo de tratamento usado algumas vezes por si só ou com outros tratamentos para cuidar de homens com câncer de próstata. A terapia hormonal também é conhecida como terapia de privação androgênica (ADT). A terapia hormonal funciona impedindo que os hormônios sexuais masculinos, como a testosterona, sejam produzidos. A testosterona alimenta as células do câncer de próstata. Mas quando as células cancerígenas não têm mais o hormônio sexual masculino para alimentá-las, seu crescimento diminui. A terapia hormonal para o câncer de próstata geralmente prejudica a produção de espermatozóides. Isso limitará a chance de um homem fertilizar o óvulo de uma mulher.


Opções de preservação de fertilidade para homens, antes do tratamento

A preservação da fertilidade ocorre quando pacientes com câncer tomam medidas para proteger suas chances de ter um filho. Os homens podem querer falar com um especialista em fertilidade para explorar as opções que podem ser adequadas para eles. Abaixo estão três tipos de métodos de preservação de fertilidade a serem discutidos.

Banco de esperma

Esta é uma das escolhas mais bem-sucedidas e menos caras para os homens. Banco de esperma é quando você congela seu esperma – criopreservação. Os espermatozóides permanecem congelados até que você precise deles, mesmo que muitos anos depois. Com o congelamento, os espermatozóides geralmente não são danificados.

Protegendo os testículos durante a radioterapia

É nesse momento que o médico responsável pelo tratamento com radiação – radioterapeuta – usa um dispositivo para proteger os testículos durante o tratamento com radiação. Isso diminui a chance de prejudicar o esperma, diminuindo a dose de radiação nessa área.

Extração de esperma

Se um homem não consegue ejacular esperma ou tem esperma limitado no sêmen, é possível que ele ainda tenha esperma em algum lugar nos testículos. Com a remoção do esperma, um urologista remove pedaços do tecido testicular. Se o tecido tiver esperma, então o esperma pode ser usado para fertilizar o óvulo da mulher. Ou pode ser congelado e usado posteriormente.

 

Fonte: Urology Care Foundation


 

Cirurgias de Aumento Peniano – mitos e verdades

Atenção: O aumento de pênis com finalidade cosmética não é recomendado pela comunidade científica nem pela Sociedade Brasileira de Urologia.

Por que alguns homens acham que seu pênis é pequeno?

A autoestima masculina pode ser afetada quando o homem se sente inferiorizado por acreditar que seu pênis é menor que o dos outros. Essa inadequação, que pode ser real ou imaginária, é muito frequente, e pode atingir homens de todas as faixas etárias.
O trauma psicológico do “pênis pequeno” é induzido ainda na infância por comparação entre crianças da mesma idade e pela ansiedade dos pais em relação ao aspecto anatômico dos genitais de seus filhos. Esta preocupação pode desenvolver um complexo de inferioridade que a criança carregará consigo até a idade adulta.

Mas existem homens que estão convencidos de que seu pênis é realmente pequeno!

O que se observa na prática diária é que a grande maioria dos homens com queixas de pênis pequeno apresentam-se com o órgão dentro das medidas tidas como normais para o indivíduo adulto. Esses homens sofrem de um marcante sentimento de inadequação e mesmo sendo-lhes explicado que o pênis é normal, eles o sentem muito pequeno para preencher sua imagem sexual e o seu machismo.

E por que este sentimento de inferioridade?

Com a maior liberação sexual, aumentou de forma extraordinária o medo do homem de não ser considerado “normal” por sua parceira. O pênis pequeno como sinal negativo externo de identidade sexual cria um impacto psicológico extremamente negativo. O temor de ser ridicularizado ou rejeitado pelas mulheres tem levado um número cada vez maior de homens a desejar tratamentos clínicos ou cirúrgicos para aumentar o órgão genital. Desta forma, não é de se estranhar que a procura por técnicas de aumento peniano tenha se incrementado na última década.

Qual é o tamanho real do pênis?
Trabalhos da literatura demonstraram que o comprimento médio do pênis do homem adulto é de 8,5 a 9,5 cm em flacidez e de 13 a 14 cm em ereção, dependendo das técnicas de medição utilizadas. Da fase flácida para o estado erétil, o pênis aumenta em média 4,5 cm em seu comprimento.

Há indicação para tratamentos ou cirurgias de aumento do pênis?

A proposta de aumento peniano como um procedimento cosmético no pênis normal não tem o respaldo da comunidade científica. Da mesma forma, outras propostas como exercícios, massagens, uso de extensores e aparelhos de vácuo frequentemente preconizados por sites na internet não resultam em ganho real para o tamanho do pênis. Algumas técnicas cirúrgicas para aumento da haste peniana estariam indicadas para pacientes em que pequenos ganhos no comprimento do órgão podem resultar em uma melhor capacidade funcional, como nos casos comprovados de micro pênis e epispádias, casos severos de hipospádias, retrações ou encurtamentos consequentes à Doença de Peyronie, amputações parciais por neoplasia e outros defeitos traumáticos adquiridos, e retrações penianas em pacientes lesados medulares com o intuito de facilitar a implantação de próteses e coletores urinários penianos.

Existem complicações nas cirurgias de aumento peniano?

As técnicas de aumento peniano não são isentas de complicações, às vezes bastante sérias. O encurtamento peniano e o aparecimento de cicatrizes hipertróficas podem resultar em deformidades e levar a um resultado cosmético pobre e até grotesco. As técnicas de aumento da circunferência peniana podem ocasionar danos à estrutura do pênis, como lesões neurológicas e arteriais, levando a perda de sensibilidade, infecção, formação de abscessos e fístulas, bem como problemas de ereção.

Fonte: Sociedade Brasileira de Urologia – SBU

# Saiba mais sobre o parecer da SBU sobre procedimentos de aumento peniano:

https://portaldaurologia.org.br/medicos/noticias/parecer-sobre-os-procedimentos-de-aumento-peniano/

Prótese Peniana – Dúvidas mais comuns!

A Prótese Peniana funciona bem?

Sim, muito bem. As taxas de satisfação dos pacientes e de seus parceiros na maioria dos estudos estão bem acima de 90%.

Çayan S, Aşcı R, Efesoy O, Bolat MS, Akbay E, Yaman Ö. Comparison of Long-Term Results and Couples’ Satisfaction with Penile Implant Types and Brands: Lessons Learned From 883 Patients With Erectile Dysfunction Who Underwent Penile Prosthesis Implantation. J Sex Med. 2019 Jul;16(7):1092-1099.

 

Os Plano de Saúde pagam por isso?

Apenas a cirurgia de implante de prótese peniana Semi-Rígida consta no Rol da ANS das coberturas obrigatórias dos planos de saúde.

 

Quem deve fazer a cirurgia?

Tal como acontece com outras cirurgias especializadas, você deve ter cuidado com quem escolher. A cirurgia de implante peniano requer treinamento e experiência especializados. Verifique se você está confiante nas habilidades e na experiência do seu cirurgião.

 

Quais são os riscos?

Como em qualquer procedimento cirúrgico, existem riscos potenciais. O maior risco é infecção. Assim como ter uma prótese de joelho ou quadril, ter um implante peniano significa que existe um “corpo estranho” e uma infecção pode ser bastante grave (como no quadril ou joelho). No entanto, o risco de infecção é tipicamente menor que um por cento na maioria dos pacientes.

Se algum dia você precisar de uma ressonância magnética, os implantes são seguros. É importante dizer a outros profissionais de saúde que você tem um implante. Por exemplo, se você estiver fazendo um procedimento odontológico, provavelmente precisará de antibióticos adicionais.

 

O que posso fazer para evitar a infecção?

As taxas de infecção com implantes modernos são bastante baixas, cerca de um por cento. Um dos grandes avanços dos implantes modernos é o uso de revestimentos que contêm antibióticos para impedir que bactérias entrem no dispositivo. *

Existem, no entanto, certas condições que aumentam o risco de infecção, que incluem o seguinte:

  • Lesão da medula espinal;
  • Diabetes (especialmente se os açúcares no sangue estiverem consistentemente altos);
  • Re-operação ou cirurgia no cenário de cicatrizes extensas;
  • Uso crônico de corticóides, como prednisona.

São utilizadas muitas técnicas para minimizar a infecção em pacientes, tanto antes da operação quanto durante a operação. É fundamental que os cirurgiões sejam muito meticulosos na técnica e estejam cientes das muitas coisas que podem ser feitas para prevenir infecções.

* Dick B, Tsambarlis P, Reddy A, Hellstrom WJ. An update on: long-term outcomes of penile prostheses for the treatment of erectile dysfunction. Expert Rev Med Devices. 2019 Apr;16(4):281-286. 

 

Preciso ficar no hospital?

O procedimento pode ser feito ambulatorialmente (onde você vai para casa do hospital no dia da cirurgia) ou com um pernoite. Se for feito em ambulatório, você precisará retornar à clínica no dia seguinte para que possamos remover os curativos.

 

Qual é o tempo esperado de recuperação?

Todo mundo se cura em taxas diferentes, portanto, os tempos de recuperação podem variar entre os pacientes. Geralmente, você provavelmente começará a se sentir melhor após a primeira semana.

 

Quão ativo posso ser após a cirurgia?

Existem algumas restrições após a cirurgia, especificamente, nenhum levantamento pesado durante as primeiras quatro semanas e nenhum exercício rigoroso. Você pode retomar as atividades normais do dia a dia conforme desejar.

Muitos homens perguntam se podem voltar às suas atividades favoritas, como andar de bicicleta e correr. Sim! Você pode retornar a essas atividades depois de ter sido totalmente curado.

 

Terei que remover meus pontos?

Não. As suturas que usamos são absorvíveis e são feitas para permanecer por muito tempo. Suas suturas provavelmente cairão sozinhas em quatro a oito semanas.

 

Hematomas e inchaço são normais?

Sim. Como em qualquer cirurgia, haverá hematomas e inchaço. Nós prescreveremos analgésicos pós-operatórios e você poderá usar uma bolsa de gelo para ajudar no inchaço.

 

Quando posso começar a usar meu dispositivo?

Seu médico lhe ensinará como usar o implante em sua consulta de acompanhamento de duas semanas. Nós lhe daremos instruções de fisioterapia para inflá-lo por um certo período de tempo todos os dias.

Você pode não estar se sentindo 100% a essa altura, mas quanto mais cedo você começar sua fisioterapia, melhor será sua função e tamanho finais.

Dependendo da rapidez com que você está se recuperando, você poderá retomar a atividade sexual. O tempo médio para retomar a atividade sexual é de quatro a seis semanas.

 

Como será o implante peniano após a cirurgia?

Uma vez curado, seu implante será completamente indetectável. Está totalmente oculto no corpo e ninguém saberá a menos que você lhes diga, especialmente no caso de uso da prótese inflável.

 

O implante afetará o tamanho do pênis?

Um implante peniano não se destina a aumentar o comprimento ao pênis. A maioria dos implantes se expande em comprimento e perímetro, a fim de atingir o tamanho máximo da ereção natural do paciente.

O dimensionamento é feito durante a cirurgia e personalizado para cada paciente. Alguns homens experimentam algum encurtamento peniano, embora possa ser subjetivo. Por exemplo, homens que têm problemas de ereção há muito tempo podem não se lembrar com precisão do tamanho anterior do pênis.

 

Como será o implante peniano para mim e minha parceira?

A ereção de um homem após a cirurgia de implante parece e se sente muito natural. O implante peniano não altera sua sensação ou capacidade de chegar ao orgasmo. O implante está substituindo o tecido erétil que não funciona mais.

 

Um implante peniano afeta a micção?

Não, o implante não afetará a micção, pois a uretra é separada de onde os cilindros do implante peniano são colocados.

 

As pessoas estão sempre insatisfeitas?

Quando um homem tem disfunção erétil há muito tempo, o pênis encolhe e cicatriza. Isso é semelhante a um levantador de peso que para de malhar e os músculos encolhem. Por esse motivo, o pênis geralmente é mais curto do que quando era mais jovem. Essa perda de comprimento é a causa mais comum de insatisfação.

 

O dispositivo falha alguma vez?

Esses dispositivos são mecânicos, portanto, eventualmente, eles falharão. Nos dispositivos modernos, eles geralmente duram de 10 a 15 anos e podem durar até mais de 20 anos. Quando eles falham, é necessária uma cirurgia adicional para substituir o dispositivo (muito semelhante à cirurgia original).

 

Fonte: University of Utah

Espermograma – Como interpretá-lo?

A infertilidade é considerada uma doença do sistema reprodutor que é constatada após um período de 12 meses de tentativas de gravidez sem sucesso, em que o casal manteve relações sexuais sem a utilização de nenhum método contraceptivo. Atualmente, estima-se que a infertilidade atinja 10% a 20% dos casais em idade reprodutiva, independentemente de suas origens étnicas ou sociais.

Em 30% dos casais que não conseguem engravidar, o homem é o único responsável pela causa da infertilidade, sendo que causas femininas associadas às masculinas ocorrem em 20% dos casos. Sendo assim, pode-se dizer que problemas masculinos estão presentes em cerca de 50% dos casais inférteis. Pelo fato de os problemas masculinos serem tão comuns, é essencial a investigação adequada do homem infértil.

O espermograma é o principal exame de avaliação, sendo na maioria das vezes o primeiro a ser solicitado na investigação do homem infértil. Cerca de 80% dos homens com dificuldade de engravidar suas esposas apresentam baixa concentração dos espermatozoides associada à diminuição da motilidade e/ou alteração da sua morfologia.

O espermograma é um exame altamente variável, para um mesmo indivíduo, em dias de coleta diferentes, sendo assim é aconselhável a obtenção de duas análises de sêmen antes que se ofereça uma opinião sobre a condição do paciente. Um período de abstinência de 2 ou 3 dias deve ser respeitado. Alterações no período de abstinência podem invalidar comparações entre as análises. A coleta do exame deve ser realizada no laboratório ou clínica de reprodução através de masturbação e coletado em um recipiente de vidro ou de plástico especial com uma abertura ampla, evitando a perda de material.

A metodologia de análise e os percentis de distribuição são descritos pela Organização Mundial da Saúde, em sua 5a edição, revisão em 2010, estando representados na tabela abaixo.

Parâmetros (Percentil 5 – IC de 95%)
Volume seminal (ml) 1.5 (1.4-1.7)
Contagem total de espermatozoides (106/ ejaculado) 39 (33-46)
Concentração de espermatozoide (106 /ml) 15 (12-16)
Motilidade total 40 (38-42)
Motilidade progressiva (%) 32 (31- 34)
Morfologia (formas normais, %) 4 (3-4)

Comprovação biológica de infertilidade masculina só é possível nos casos de ausência completa de espermatozoides ou na ausência completa de motilidade espermática. A interpretação dos valores dos parâmetros seminais definidos pela OMS deve ser realizada com muita atenção e cuidado. Os valores de referência não representam a concentração média de espermatozoides na população em geral, ou valores mínimos necessários para gravidez espontânea. Além disso, pacientes com parâmetros seminais fora do intervalo de referência de normalidade podem conseguir engravidar suas parceiras. Sendo assim, o espermograma não deve ser visto como um teste de fertilidade masculina.

Portanto deve-se ter cautela na utilização do espermograma para diagnóstico de infertilidade masculina. Homens apresentando os parâmetros dentro da referência sugerida como normal, ainda assim, podem apresentar dificuldade para engravidar suas parceiras. Embora o espermograma tenha como objetivo auxiliar os médicos a estimar a fertilidade relativa de um determinado indivíduo, os parâmetros seminais definitivamente não permitem a classificação definitiva dos pacientes em férteis ou inférteis.

 

Fonte: Sociedade Brasileira de Urologia – SBU

Atendimento à Distância por Telemedicina com Urologista

Devido ao momento de enfrentamento a Pandemia do Novo Coronavírus (COVID-19), o Ministério da Saúde, em sua Portaria Nº 454, de 20/03/2020 e o Conselho Federal de Medicina, em seu ofício 1.756/20, atualizando a Resolução CFM nº 1.643/2002, AUTORIZOU em caráter excepcional e temporário as ações de TELEMEDICINA.

As ações de interação à distância contemplam o atendimento pré-clínico, de suporte assistencial, de consulta, monitoramento e diagnóstico, por meio de tecnologia da informação e comunicação.

Este é um instrumento necessário diante do momento que estamos passando, visando diminuir a circulação de pessoas por consultório e hospitais.

Frente a isso, informo aos meus pacientes que estarei disponibilizando a ferramenta de TELEMEDICINA como opção para atendimento. O agendamento será realizado via a plataforma DOCTORALIA ou pelo Whatsapp (51) 99245-0000.

Outro detalhe importante, as receitas e atestados emitidos por via eletrônica são válidos apenas para o estado do Rio Grande do Sul. Também é necessário que o paciente leia e assine o termo de consentimento informado sobre o atendimento com telemedicina, onde constam as limitações dessa forma de interação do médico com o paciente, como por exemplo, a ausência de exame físico.

Para mais informações sobre Saúde e Urologia convido a continuar visitando minha página www.luisfernandocastro.com

Qualquer dúvida estou à disposição.

Dr Luis Fernando de Cesaro Castro
Urologista – CREMERS 36997 – RQE 34971
Membro Titular da Sociedade Brasileira de Urologia – TiSBU
International Member of the European Urology Association – EAU

Alimentação e Cálculos Renais. O que devo comer para prevenir pedra nos rins?
Alimentação na prevenção de cálculos renais

Vários fatores de risco contribuem para a formação de cálculos renais, que incluem a história familiar, sendo 2,5 vezes maior em indivíduos com antecedentes de casos na família; a idade; a raça; elevação de ácido úrico; índice de massa corporal (IMC) >30Kg/m2, a presença de diabetes mellitus; síndrome metabólica e hábitos alimentares inadequados.

Os fatores dietéticos podem ser modificados, especificamente a alimentação, pois a composição da urina está diretamente relacionada com a mesma. A compreensão dos mecanismos fisiológicos e dos fatores de risco é importante para que medidas de prevenção sejam incorporadas pelo paciente no decorrer do tratamento, a fim de modificar a história natural da doença.

A terapia nutricional deve incluir medidas de adequação do peso corporal, perda de peso em caso de sobrepeso e obesidade, a implementação de recomendações de hábitos de vida saudáveis, incluindo atividade física e a mudança de hábitos alimentares inadequados, visando à redução do consumo de sódio, gordura saturada e alimentos calóricos e, principalmente, o aumento do consumo de líquidos.

As orientações devem ser de fácil compreensão e o profissional de saúde deve procurar esclarecer qual a inter-relação entre o consumo do alimento e a prevenção ou a gênese da formação do cálculo, para que a adesão do paciente, tanto no tratamento clínico e nutricional, alcance os objetivos propostos.

 

Orientações aos pacientes

O cálculo renal é muito comum de acontecer. Cerca de 8% das mulheres e 15% dos homens vão apresentar cálculo renal em algum momento da vida. Seu tratamento nem sempre é fácil. Além disso, as chances de uma pessoa que já teve cálculo renal vir a ter novamente é de cerca de 50% em cinco anos. Por isso, após o tratamento, é muito importante a prevenção da formação de novos cálculos. Para isso, as orientações nutricionais são muito importantes.

A formação de cálculos renais pode aumentar em função de alguns fatores nutricionais, tais como: ganho de peso e obesidade, excesso de sal na comida e o consumo reduzido de líquidos, dentre outros. Desta forma, alguns cuidados na alimentação devem ser tomados para evitar a sua formação:

# Procure ingerir no mínimo 2 a 3 litros de líquidos por dia:

  • Tome água, limonada com adoçante e chás de ervas (camomila, erva-doce, cidreira, hortelã) ao natural ou com adoçante. 
  • Consuma quente ou gelado e de preferência, adicionado de limão. 
  • Evite adoçar com açúcar, mel ou açúcar mascavo, pois aumenta a quantidade de calorias da bebida. 
  • Evite refrigerantes ou sucos em pó e artificiais, pois aumentam os riscos de cálculos. 
  • Prefira os sucos naturais e sem adição de açúcar.

Lembre-se: para avaliar se a quantidade de líquidos consumida está adequada, observe a urina, que sempre deve estar clara e límpida. Caso contrário, a quantidade de líquidos ingerida deverá ser aumentada.

# Cuidado com o sal!

  • Use o mínimo de sal possível no preparo dos alimentos e não adicione sal na comida. Prefira temperos naturais de ervas para dar sabor e aroma: orégano, salsinha, cebolinha, limão, coentro, salsão ou outros de sua preferência e evite:
  • Azeitonas, bacalhau, salgadinhos, queijos amarelos, temperos e molhos prontos (catchup, mostarda, shoyu, caldos concentrados, molho inglês, sopas de pacote, cubos de caldos de carne e outros), produtos com glutamato monossódico, embutidos (salsicha, mortadela, linguiça, presunto, salame, paio, carne seca);
  • Conservas (picles, azeitona, aspargo, palmito, milho, patês, algas, chucrutes, maionese pronta);
  • Enlatados (extrato de tomate, milho, ervilha, seleta de legumes e outros)
  • Carnes salgadas (charque, camarão seco, defumados);
  • Salgadinhos para aperitivos (batata frita, amendoim salgado, castanhas, chips);
  • Bolachas salgadas, recheadas, margarina ou manteiga com sal, requeijão normal ou light.
  • Procure ler os rótulos, pois muitos alimentos industrializados possuem sódio ou glutamato monossódico na composição e não devem ser consumidos.

# Frutas – Consuma pelo menos 3 a 4 ao dia:

  • Dê preferência à laranja, tangerina e melão. 
  • Consuma limonada e laranjada preparadas com a fruta natural, pois o ácido cítrico contido nestas frutas pode auxiliar a evitar a formação dos cálculos. 
  • Não use sucos artificiais ou refrigerantes. 
  • Frutas vermelhas ou sucos de cranberry, framboesa e morango possuem alta concentração de protetores contra infecções.

# Legumes cozidos ou crus e verduras de folha devem fazer parte das duas refeições principais (almoço e jantar), pois contém vitaminas, minerais e fibras, auxiliando no bom funcionamento intestinal, na prevenção de doenças e no aumento da resistência do organismo.

# Não deixe de consumir leite e seus derivados: 

  • No geral, não há necessidade de restringir o consumo de cálcio, um tabu que ainda é muito difundido. 
  • Consuma pelo menos três copos ao dia, desde que sejam desnatados: iogurte light, ao natural, coalhada, queijo branco magro com pouco sal, ricota ou leite desnatado em pó.
  • Somente reduza a quantidade de leite se for orientado pelo seu médico ou da nutricionista.

# Prefira os alimentos integrais aos refinados, pois contém fibras que auxiliam no funcionamento intestinal: 

  • Arroz e macarrão integral, biscoitos e pão integral light (sem adição de açúcar e gordura). 
  • No entanto, a quantidade destes alimentos deve ser controlada caso necessite perder peso, seguindo a orientação do nutricionista.
  • Prepare os alimentos sempre grelhados, assados ou cozidos. 
  • Evite frituras e empanados, pois são muito calóricos.

# Consuma uma porção de carne ou substitutos (peixe, frango sem pele ou ovo), no almoço e jantar, evitando excessos. 

  • Prefira as carnes magras. 
  • Evite churrascos, pois contém muita gordura e excesso de sal.
  • Não utilize suplementos de vitaminas ou minerais, sobretudo a vitamina C sem a prescrição do médico, pois podem propiciar a formação de cálculos.

# Evite café, bebidas achocolatadas e chocolate, chá preto, mate ou verde, espinafre, nozes, mariscos e frutos do mar. Estes alimentos contribuem na formação de cálculos, pois são ricos em oxalato. Portanto, use com moderação.

Algumas situações de cálculos de repetição são causadas por alterações específicas e são identificadas pelo urologista, merecendo aí um tratamento individualizado.

Além de tudo isso, procure realizar uma atividade física regular, pois auxilia na perda de peso e na manutenção da saúde. Portanto, procure caminhar ou fazer alguma atividade com regularidade.

Lembre-se: mantenha-se sempre bem hidratado durante as atividades, pois neste momento pode haver o início de algum cálculo renal devido à falta de água!

Seguindo estas orientações, as chances de formação de novos cálculos diminuem de 20 a 70%. Isso é muito importante, pois quem teve cálculo sabe a dor e sofrimento que isto pode causar!

Fonte: Sociedade Brasileira de Urologia – SBU