Exames de Check-up (rastreamento) para Homens

Os testes de rastreamento são projetados para detectar doenças ocultas em pessoas saudáveis. Quais você deve ter não está definido – os especialistas geralmente discordam sobre quando começar a fazer esses testes, com que frequência eles devem ser feitos e quando parar.

Um bom guia vem da Força-Tarefa de Serviços Preventivos dos Estados Unidos (United States Preventive Services Task Force), um painel independente de especialistas. Suas recomendações ajudam a definir cuidados de saúde preventivos de alta qualidade para os americanos.

Lembre-se de que os benefícios e riscos dos testes e procedimentos de triagem mudam à medida que envelhecemos. Seu médico pode ajudá-lo a adaptar as recomendações abaixo com base em seus objetivos de atendimento, histórico de saúde pessoal e familiar, idade e expectativa de vida.


Exames – Recomendação

  1. Aneurisma da aorta abdominal

Faça uma ultra-sonografia do coração e da aorta (o grande vaso sanguíneo que sai do coração) entre as idades de 65 e 75, se você já fumou.

 

2. Pressão arterial

Faça a medida da pressão no sangue pelo menos a cada dois anos, se estiver na faixa saudável (abaixo de 120/80) ou uma vez por ano, se estiver acima do normal (entre 120/80 e 139/89).

 

3. Câncer colorretal

Recomendado para homens de 50 a 75 anos. Converse com seu médico sobre qual teste de triagem (exame de sangue oculto nas fezes, sigmoidoscopia ou colonoscopia) ou combinação de testes é o melhor para você e com que frequência você precisa e se deve continuar fazendo esses testes após os 75 anos.

 

4. Diabetes

Faça o teste de diabetes se sua pressão arterial for maior que 135/80 ou se você toma remédio para pressão alta.

 

5. HIV / AIDS

Faça o teste pelo menos uma vez para HIV / AIDS após os 20 anos de idade ou mais cedo, se você tiver um alto risco de ser infectado pelo vírus da imunodeficiência humana. Discuta outros testes com seu médico.

 

6. Perfil lipídico (colesterol total, LDL, HDL e triglicerídeos)

A partir dos 35 anos, todos os homens devem ter seu colesterol verificado regularmente. Homens com alto risco de desenvolver doenças cardíacas devem começar aos 20 anos.

 

7. Câncer de pulmão

Teste anual com tomografia computadorizada de baixa dose (TC) entre as idades de 55 e 80 anos, se você fuma o equivalente a um maço por dia durante 30 anos e atualmente fuma ou parou de fumar nos últimos 15 anos.

 

8. Infecções sexualmente transmissíveis (clamídia, gonorréia, sífilis)

Faça o teste de clamídia anualmente até os 24 anos de idade, se você é sexualmente ativo. Após os 25 anos, faça o teste de clamídia e outras doenças sexualmente transmissíveis, se você tiver um risco maior de contrair uma infecção sexualmente transmissível.

Fonte: Harvard Health Publishing


 

5 Dicas para Prevenir Pedras nos Rins

Se você já teve uma pedra nos rins, certamente se lembra dela. A dor pode ser insuportável, chegando em ondas até que a minúscula pedra passe pelo seu encanamento urinário e saia do corpo. Para muitos, pedras nos rins não são uma coisa única: em cerca de metade das pessoas que tiveram um, outro aparece dentro de sete anos sem medidas preventivas.

preventing kidney stones

Prevenir pedras nos rins não é complicado, mas é preciso alguma determinação.

As pedras nos rins se formam quando certos produtos químicos se concentram o suficiente na urina para formar cristais. Os cristais crescem em massas maiores (pedras), que podem atravessar o trato urinário. Se a pedra fica presa em algum lugar e bloqueia o fluxo de urina, causa dor.

A maioria das pedras ocorre quando o cálcio se combina com uma das duas substâncias: oxalato ou fósforo. As pedras também podem se formar a partir do ácido úrico, que se forma à medida que o corpo metaboliza as proteínas.


Kidney stones

Como evitar pedras nos rins

Prevenir pedras nos rins significa prevenir as condições que sustentam sua formação. Aqui estão as recomendações:

Beba bastante água: Beber água extra dilui as substâncias na urina que levam às pedras. Esforce-se para beber líquidos suficientes para passar 2 litros de urina por dia, o que equivale a aproximadamente oito xícaras de 250ml. Pode ajudar a incluir algumas bebidas cítricas, como limonada e suco de laranja. O citrato nessas bebidas ajuda a bloquear a formação de pedras.

 

Obtenha o cálcio de que você precisa: A ingestão de muito pouco cálcio em sua dieta pode aumentar os níveis de oxalato e causar pedras nos rins. Para evitar isso, tome uma quantidade de cálcio adequada à sua idade. Idealmente, obtenha cálcio nos alimentos, pois alguns estudos associaram o uso de suplementos de cálcio às pedras nos rins. Homens com 50 anos ou mais devem receber 1.000 miligramas (mg) de cálcio por dia, juntamente com 800 a 1.000 unidades internacionais (UI) de vitamina D para ajudar o corpo a absorver o cálcio.

 

Reduzir sódio: uma dieta rica em sódio pode desencadear cálculos renais porque aumenta a quantidade de cálcio na urina. Portanto, recomenda-se uma dieta com baixo teor de sódio para os propensos a cálculos. As diretrizes atuais sugerem limitar a ingestão diária total de sódio a 2.300 mg. Se o sódio contribuiu para cálculos renais no passado, tente reduzir sua ingestão diária para 1.500 mg. Isso também será bom para a pressão sanguínea e o coração.

 

Limitar a proteína animal: ingerir muita proteína animal, como carne vermelha, aves, ovos e frutos do mar, aumenta o nível de ácido úrico e pode levar a pedras nos rins. Uma dieta rica em proteínas também reduz os níveis de citrato, o produto químico na urina que ajuda a impedir a formação de pedras. Se você é propenso a pedras, limite sua ingestão diária de carne a uma quantidade que não seja maior que 300g. Esta também é uma porção saudável para o coração.

 

Evite alimentos que formam pedras: beterraba, chocolate, espinafre, chá e a maioria das nozes são ricas em oxalato e colas são ricas em fosfato, que podem contribuir para as pedras nos rins. Se você sofre de pedras, seu médico pode aconselhá-lo a evitar esses alimentos ou consumi-los em quantidades menores.

 

Para todos os outros, é improvável que determinados alimentos e bebidas desencadeiem cálculos renais, a menos que sejam consumidos em quantidades extremamente altas. Alguns estudos mostraram que homens que tomam altas doses de vitamina C na forma de suplementos têm um risco ligeiramente maior de pedras nos rins. Isso pode ser porque o corpo converte vitamina C em oxalato.

Fonte: Harvard Health Publishing


 

Álcool e seus Rins

Beber álcool pode afetar muitas partes do seu corpo, incluindo os rins. Um pouco de álcool – uma ou duas doses de vez em quando – geralmente não tem efeitos sérios. Mas beber demais pode prejudicar sua saúde. Também pode piorar a doença renal.


Como o álcool prejudica os rins?

Seus rins filtram substâncias nocivas do seu sangue. Uma dessas substâncias é o álcool. O álcool pode causar alterações na função dos rins e torná-los menos capazes de filtrar seu sangue. Além de filtrar o sangue, seus rins realizam muitos outros trabalhos importantes. Um desses trabalhos é manter a quantidade certa de água em seu corpo. O álcool afeta a capacidade dos seus rins de fazer isso. Quando o álcool desidrata (seca) o corpo, o efeito de secagem pode afetar a função normal das células e órgãos, incluindo os rins.

Muito álcool também pode afetar sua pressão arterial. Pessoas que bebem demais são mais propensas a ter pressão alta. E medicamentos para pressão alta podem ser afetados pelo álcool. A pressão alta é uma causa comum de doença renal. Mais de duas doses por dia podem aumentar sua chance de ter pressão alta.

O consumo crônico também pode causar doença hepática. Isso contribui para o trabalho do rim. A taxa de fluxo sanguíneo para os rins geralmente é mantida em um determinado nível, para que os rins possam filtrar bem o sangue. A doença hepática prejudica esse importante ato de equilíbrio. De fato, a maioria dos pacientes no Brasil que sofrem de doença hepática e disfunção renal associada é dependente do álcool.


Quanto álcool é demais?

Quando os especialistas falam sobre uma bebida, estão falando de uma garrafa de cerveja de 350 ml, de um copo de vinho ou de uma dose de destilado.

Tomar mais de três drinques por dia (ou mais de sete por semana) para mulheres e mais de quatro drinques por dia (ou mais de 14 por semana) para homens é considerado bebida “pesada”. Os rins de bebedores pesados ​​precisam trabalhar mais. Foi constatado que o consumo excessivo de bebidas regularmente duplicou o risco de doença renal.

Beber demais (geralmente mais de quatro a cinco doses em duas horas) pode elevar o álcool no sangue de uma pessoa a níveis perigosos. Isso pode causar uma queda repentina na função renal, conhecida como “lesão renal aguda”. Quando isso acontece, a diálise é necessária até que a função renal de uma pessoa retorne ao normal. A lesão renal aguda geralmente desaparece com o tempo, mas em alguns casos, pode levar a danos renais duradouros.

Algumas pessoas não devem beber nada. Pergunte ao seu médico se é seguro beber, especialmente se você tiver uma condição médica ou tomar medicamentos que possam ser afetados pelo uso de álcool. Mulheres, idosos e pessoas com corpos menores devem ser especialmente cuidadosos. Obviamente, as mulheres grávidas são aconselhadas a não beber álcool.


O que você pode fazer?

Sempre verifique com seu médico para garantir que você beba álcool com segurança. Mesmo que seja seguro, é importante beber com moderação. Uma boa orientação é: não mais do que uma a duas doses por dia para homens e uma bebida por dia para mulheres e pessoas com mais de 65 anos.

 

Fonte: National Kidney Foundation


 

Saúde do homem
Qual é a primeira coisa que vem à sua mente quando você ouve o termo “Saúde do homem”?

Câncer de próstata? Disfunção erétil?

Você não está sozinho. Esses dois problemas de saúde têm recebido muita atenção da imprensa hoje em dia. A geração “baby boomers”, celebridades que lutaram contra as doenças, grandes projetos de pesquisa dedicados à prevenção, detecção precoce e novos tratamentos interessantes deram destaque aos problemas de saúde desses homens na mídia de hoje.

E as estatísticas confirmam sua importância:

  • Para cada 100 homens, 12 desenvolverão câncer de próstata durante a vida;
  • 3 ou 4 morrerão com isso;
  • Cerca de 30 homens sofrem de algum tipo de dificuldade sexual, mas apenas 5 ou 6 obterão ajuda.

Coisas perturbadoras, certo? Mas o câncer de próstata e a disfunção erétil são apenas parte da história da saúde dos homens. Há uma imagem muito maior. No momento, os homens apresentam:

  • 70% mais probabilidade do que as mulheres de morrer de doença cardíaca;
  • 50% mais chances de morrer de complicações do diabetes;
  • 40% mais chances de morrer de câncer;
  • Mais de duas vezes mais chances de morrer de doença hepática;
  • 3 vezes mais chances de cometer suicídio;
  • 84% mais chances de morrer de doença arterial.

Quando se trata de prevenção e detecção precoce, a saúde dos homens geralmente fica atrás da saúde das mulheres. No entanto, a pesquisa mostrou que, em comparação com as mulheres, os homens têm maior probabilidade de:

  • levar estilos de vida menos saudáveis;
  • adiar exames de rotina;
  • demora em procurar aconselhamento médico para um problema de saúde;
  • não tem médico regular ou seguro de saúde.

Ninguém gosta de visitar o médico, nem mesmo as mulheres. Mas os homens são muito menos propensos a fazê-lo do que as mulheres.

E esse desligamento pode ser um dos principais motivos pelos quais a expectativa de vida dos homens está diminuindo em quase quatro anos, quando comparada à expectativa de vida das mulheres.

E não importa para onde você olha no mundo, as mulheres geralmente vivem mais. Isso levanta a questão, por que?

Por que as mulheres vivem mais?

E o que os homens estão fazendo de errado?

A boa notícia é que a saúde dos homens está sendo discutida mais abertamente. Tornou-se uma questão importante para todos – não apenas para os homens. E por uma boa razão. Homens estão morrendo. Jovem. Mais jovem que as mulheres. E o mais triste é que os homens poderiam impedir sua morte prematura se tivessem desempenhado um papel mais ativo em sua saúde nos primeiros anos da idade adulta e com a idade.

O primeiro passo? Admita que você está em risco.

Dr Luis Fernando de Cesaro Castro
Urologista – CREMERS 36997 – RQE 34971
Membro Titular da Sociedade Brasileira de Urologia – TiSBU
International Member of the European Urology Association – EAU

O que as pessoas com câncer precisam saber sobre o Coronavírus?

Coronavírus: o que as pessoas com câncer precisam saber?

O que é o coronavírus 2019?

A doença de coronavírus 2019 (ou COVID-19) é uma doença respiratória causada por um novo (ou novo) coronavírus que foi identificado pela primeira vez em um surto em Wuhan, China, em dezembro de 2019.

Os coronavírus são uma grande família de vírus que podem causar doenças leves, como o resfriado comum, a doenças mais graves, como a Síndrome Respiratória Aguda Grave (SARS) e a Síndrome Respiratória do Oriente Médio (MERS). Como o novo coronavírus está relacionado ao coronavírus associado à SARS (SARS-CoV), ele foi denominado SARS-CoV-2.

A doença pode se espalhar de pessoa para pessoa, através de pequenas gotas do nariz ou da boca que podem se espalhar quando uma pessoa tosse ou espirra. Outra pessoa pode pegar o COVID-19 respirando essas gotículas ou tocando uma superfície na qual as gotículas caíram e tocando seus olhos, nariz ou boca. Enquanto as pesquisas sobre o COVID-19 ainda estão surgindo, a principal crença é que a doença se espalha principalmente pelo contato com essas gotículas respiratórias que se espalham pelo ar ou pousam nas superfícies em que todos tocamos.

Os sintomas do COVID-19 podem ser leves a graves e podem incluir febre, tosse e falta de ar. Outros sintomas podem incluir dores, congestão nasal ou corrimento nasal, dor de garganta ou diarréia. Algumas pessoas infectadas podem não desenvolver sintomas, no entanto.

 

O que posso fazer para evitar esse coronavírus?

Atualmente, não existe uma vacina para prevenir o COVID-19, embora estudos estejam sendo realizados para desenvolver uma.

A maneira mais importante de se proteger é evitar ser exposto ao COVID-19. Fique em casa o máximo possível e evite áreas onde as pessoas se reúnem. Evite viagens desnecessárias e siga as orientações sobre restrições de viagens emitidas pelas autoridades nacionais de saúde ou pela Organização Mundial de Saúde (OMS).

Outra maneira crítica de se proteger é lavar as mãos frequentemente com água e sabão por pelo menos 20 segundos, aproximadamente o tempo que levaria para cantarolar a música de feliz aniversário do começo ao fim duas vezes. Se não houver água e sabão, use um desinfetante para as mãos que contenha pelo menos 60% de álcool. A melhor maneira de limpar as mãos, porém, é através de água e sabão.

Além de lavar as mãos com frequência, é importante:

  • Evite tocar seus olhos, nariz e boca.
  • Se precisar tossir ou espirrar, use um lenço de papel. Em seguida, jogue o tecido fora. Ou tossir ou espirrar no cotovelo, e não na mão.
  • Evite contato próximo com pessoas doentes.
  • A limpeza de objetos e superfícies freqüentemente tocados com spray ou toalhetes de limpeza para uso doméstico. Essas superfícies e objetos incluem maçanetas, balcões, banheiros, teclados, tablets, telefones e muito mais.

Não se recomenda o uso de máscaras faciais como forma de evitar o COVID-19. Usar uma máscara cirúrgica não protegerá você de ser infectado por um vírus. No entanto, se você estiver doente com uma doença respiratória, como gripe ou COVID-19, usar uma máscara facial pode ajudar a impedir que a doença se espalhe para as pessoas ao seu redor. Alguns médicos e especialistas em saúde pública acreditam que as pessoas devem considerar usar máscaras em público para ajudar a impedir a propagação. Isso ocorre porque algumas pessoas com COVID-19 não apresentam sintomas e não sabem que têm o vírus. Siga as orientações do seu médico e da comunidade local, com base no COVID-19 espalhado na sua comunidade e na disponibilidade de máscaras faciais.

Não há evidências de que tomar vitamina C, mesmo em altas doses, possa ajudar a prevenir o COVID-19.

 

Existem precauções especiais que as pessoas com câncer devem tomar?

Pessoas com câncer, pessoas em tratamento ativo de câncer, pacientes mais velhos e pessoas com outras condições médicas crônicas graves, como doença pulmonar, diabetes ou doença cardíaca, podem estar em maior risco para a forma mais grave de COVID-19. As mesmas regras se aplicam às pessoas com câncer e às pessoas sem câncer: lave bem as mãos e lave-as com freqüência. Evite tocar seu rosto e evite contato próximo com pessoas doentes.

As pessoas com maior risco de ficarem muito doentes com o COVID-19 devem evitar viagens de navios de cruzeiro e todas as outras viagens não essenciais durante esse período de surto do COVID-19. Em algumas áreas, o governo local ou estadual pode ter emitido uma ordem de “quarentena” ou essa ordem pode estar chegando em breve. Para pessoas com câncer que vivem em áreas com esse tipo de restrição, você não deve sair de casa, a menos que seja absolutamente necessário. Para as pessoas que vivem em áreas onde ainda não há uma restrição de “quarentena” emitida pelo governo, fique em casa o máximo possível para reduzir a exposição a outras pessoas. Evite reuniões sociais e mantenha uma distância de pelo menos 2 metros entre outras pessoas se precisar sair de casa.

Certifique-se de ter medicamentos essenciais suficientes, com receita e sem receita, para durar pelo menos 1 mês. Crie ou atualize uma lista de contatos de emergência que inclua familiares, amigos, vizinhos e recursos da comunidade ou da vizinhança que possam fornecer informações ou assistência, se você precisar.

Para se manter conectado ao seu sistema de suporte, planeje se conectar com sua família e amigos virtualmente, por meio de bate-papo por vídeo ou telefonemas. Alguns exemplos de tecnologia que podem ser usados ​​para vídeo ou outras conversas ao vivo são: FaceTime, Zoom, Google Hangouts e plataformas de mídia social, como Instagram e Facebook.

Se você estiver programado para tratamentos contra o câncer durante o surto de COVID-19, converse com seu oncologista sobre os benefícios e riscos de continuar ou adiar o tratamento. Se você não está agendado para tratamento de câncer, mas está agendado para uma consulta com seu oncologista, pode ser possível ao médico realizar a visita usando videoconferência ou telemedicina. Certifique-se de verificar com sua equipe de atendimento ao câncer se isso é recomendado para você.

Finalmente, é sempre importante ter seus desejos de assistência médica por escrito, caso esteja doente demais para tomar decisões por si mesmo. Dessa forma, sua família e sua equipe médica saberão o que é importante para você e quais são seus desejos. Se você ainda não fez isso, agora é uma boa hora. O site Cancer.Net tem informações valiosas sobre esse tópico (em inglês). Como alguns hospitais e clínicas estão limitando os visitantes, e alguns não estão permitindo visitantes, ter seus desejos de assistência médica por escrito é mais importante do que nunca. Aqui estão alguns exemplos de perguntas importantes para você se perguntar, discutir com seus entes queridos e escrever:

Que nível de qualidade de vida seria inaceitável para mim?

Quais são meus objetivos mais importantes se minha situação de saúde piorar?

Se eu sou incapaz de falar por mim, quem é a pessoa na minha vida que eu gostaria de falar por mim?

Quem não deve estar envolvido na tomada de decisões por mim?

Se meu coração parar, eu quero fazer a RCP (ressuscitação cardiopulmonar)?

 

Alguma coisa mudará com minhas visitas médicas relacionadas ao câncer?

Devido à pandemia do COVID-19 e ao aumento do risco de exposição ao vírus ao sair em público, muitos hospitais e clínicas alteraram suas políticas de visitação. Alguns podem permitir 1 visitante por paciente e outros não. Antes de ir para sua consulta médica, verifique com a clínica ou hospital a política atual de visitantes.

O seu médico pode recomendar o adiamento de alguns tratamentos para cuidados de suporte, como tratamentos de fortalecimento ósseo, por exemplo, denosumab (Xgeva) ou ácido zoledrônico (Zometa) ou suplementação intravenosa de ferro. Eles recomendarão apenas o adiamento dos tratamentos se acharem que é do seu interesse fazê-lo. Os testes de rastreamento do câncer, como mamografias ou colonoscopias, também podem ser atrasados ​​para reduzir o risco de exposição ao vírus.

Os oncologistas podem recomendar esticar o período de tempo entre tratamentos de câncer usando medicamentos, como quimioterapia ou imunoterapia. Ou eles podem recomendar o atraso no início desses tratamentos, com base no seu diagnóstico de câncer e nos objetivos do tratamento.

O que devo fazer se achar que posso ter esse coronavírus?

Entre em contato com seu médico se você tiver febre e outros sintomas de uma doença respiratória, como tosse e falta de ar, principalmente se uma dessas duas condições se aplicar a você:

Você esteve em contato próximo com uma pessoa conhecida por COVID-19.

Você mora ou viajou recentemente para uma área conhecida por ter um surto da doença.

Ligue antes de visitar seu profissional de saúde ou o departamento de emergência e informe-os de que você acha que pode ter o COVID-19. O seu profissional de saúde fará perguntas sobre seus sintomas, histórico de viagens e exposição para descobrir se você deve fazer o teste para COVID-19. Eles fornecerão instruções sobre como fazer o teste em sua comunidade. Não há um teste caseiro aprovado para esse vírus.

Se for possível que você tenha o COVID-19, fique em casa e se isole enquanto estiver sendo testado e aguardando os resultados do teste. Ficar em casa quando estiver doente é a melhor maneira de impedir a transmissão do novo coronavírus e outros vírus respiratórios, como a gripe, para outras pessoas.

Se você estiver recebendo tratamento contra o câncer que suprime o sistema imunológico e desenvolver febre e sintomas respiratórios, chame seu oncologista como faria normalmente se desenvolver febre durante o tratamento. Siga as orientações sobre quando entrar no escritório ou hospital e quando é mais seguro ficar em casa.

E, novamente, certifique-se de lavar as mãos com frequência.

 

Existem tratamentos disponíveis para o COVID-19?

Os cientistas estão trabalhando duro para desenvolver e testar tratamentos para o COVID-19. Ensaios clínicos são estudos de pesquisa que envolvem pessoas. Trabalhando muito rapidamente, pesquisadores e médicos desenvolveram ensaios clínicos para encontrar tratamentos eficazes para esta doença. Os ensaios clínicos para possíveis tratamentos com COVID-19 estão agora abertos em alguns locais nos Estados Unidos e em outros países. Se você foi diagnosticado com a doença de coronavírus e ingressou em um ensaio clínico para pacientes com COVID-19, pode receber esses medicamentos. Além disso, ao participar de um ensaio clínico, sua participação ajudará os cientistas a encontrar o tratamento mais eficaz e seguro para a doença.

O plasma convalescente é a porção líquida de sangue que pode ser coletada de pessoas que se recuperaram do COVID-19. Este plasma pode ter anticorpos para SARS-CoV-2. O plasma convalescente não é um tratamento aprovado para COVID-19, mas está sendo estudado em ensaios clínicos como um possível tratamento.

A hidroxicloroquina e a cloroquina estão sendo avaliadas em alguns países como tratamento ou prevenção do COVID-19. No entanto, esses medicamentos não são aprovados para esse uso. São necessários ensaios clínicos para avaliar a segurança e eficácia desses medicamentos.

Uma versão de cloroquina (fosfato de cloroquina) é usada como aditivo para limpar os aquários de peixes. Consumir este aditivo de aquário levou a pelo menos 1 morte e outras overdoses. Não consuma este produto – ele pode matá-lo.

Outro mito que está na internet é que beber água sanitária pode curar o coronavírus. Isso absolutamente não é verdade. Beber água sanitária pode te matar.

 

Onde posso obter as informações mais recentes sobre o COVID-19?

É importante manter-se atualizado sobre as informações mais recentes sobre o surto de COVID-19. O Ministério da Saúde e seus departamentos de saúde locais e estaduais terão informações contínuas sobre se a doença foi diagnosticada em sua comunidade.

 

Fonte: Cancer.netAmerican Society of Clinical Oncology (ASCO)

Mais informações sobre Coronavírus e Câncer em:

American Society of Clinical Oncology – ASCO

Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica – SBOC

Coronavírus (COVID-19) – Tudo o que você precisa saber!

O que é coronavírus?

Coronavírus (CID10) é uma família de vírus que causam infecções respiratórias. O novo agente do coronavírus foi descoberto em 31/12/19 após casos registrados na China. Provoca a doença chamada COVID-19. Como nunca tivemos contato com o vírus antes, não temos imunidade.Ela causa uma infecção pulmonar. Nos casos mais leves, porém, parece um resfriado comum ou uma gripe leve.

Os primeiros coronavírus humanos foram isolados pela primeira vez em 1937. No entanto, foi em 1965 que o vírus foi descrito como coronavírus, em decorrência do perfil na microscopia, parecendo uma coroa.

A maioria das pessoas se infecta com os coronavírus comuns ao longo da vida, sendo as crianças pequenas mais propensas a se infectarem com o tipo mais comum do vírus. Os coronavírus mais comuns que infectam humanos são o alpha coronavírus 229E e NL63 e beta coronavírus OC43, HKU1.

Período de incubação do coronavírus
Período de incubação é o tempo que leva para os primeiros sintomas aparecerem desde a infecção por coronavírus, que pode ser de 2 a 14 dias.
Como o coronavírus é transmitido?
A transmissão acontece de uma pessoa doente para outra ou por contato próximo por meio de:

  • O toque do aperto de mão é a principal forma de contágio
  • Gotículas de saliva
  • Espirro
  • Tosse
  • Catarro
  • Objetos ou superfícies contaminadas como celulares, mesas, maçanetas, brinquedos e teclados de computador etc.
Quais são os sintomas do coronavírus?
Os sintomas mais comuns são:

  • Febre E
  • Tosse OU
  • Dificuldade para respirar
  • Entre outros sintomas gripais

Se aparecerem os sintomas ligue para 136 ou procure um posto de saúde.

Comparativo entre doenças respiratórias
 

 

Como se proteger
  • Lave com frequência as mãos até a altura dos punhos, com água e sabão ou então higienize com álcool em gel 70%.
  • Ao tossir ou espirrar, cubra nariz e boca com lenço ou com o braço, e não com as mãos.
  • Evite tocar olhos, nariz e boca com as mãos não lavadas. Ao tocar, lave sempre as mãos como já indicado.
  • Mantenha uma distância mínima cerca de 2 metros de qualquer pessoa tossindo ou espirrando.
  • Evite abraços, beijos e apertos de mãos. Adote uma onda amigável sem contato físico, mas sempre com sorriso no rosto.
  • Higienize com frequência o celular e brinquedos das crianças.
  • Não compartilhe objetos de uso pessoal, como talheres, toalhas, pratos e copos.
  • Evite aglomerações e mantenha os ambientes limpos e bem ventilados.
  • Se estiver doente, evite contato físico com outras pessoas, principalmente, idosos e doentes crônicos e fique em casa até melhorar.
  • Durma bem, tenha uma alimentação saudável e faça atividade física.
Adianta tomar vacina contra a gripe?
Não, mas evita que a pessoa tenha outros tipos de doenças respiratórias. Busque orientação de como vacinar em segurança. Em caso de fila, mantenha uma distância de, pelo menos, 2 metros dos demais, principalmente os idosos.

Ligue 136 ou entre em contato com a Secretaria de Saúde da sua cidade.

Quem corre mais risco?
Pessoas acima dos 60 anos e aquelas com doenças crônicas, como diabetes e doenças cardiovasculares. Esse público não deve viajar nem frequentar cinemas, shopping, shows e outros locais com aglomerações.

A orientação é FICAR EM CASA.

Caso utilize medicamento de uso contínuo, entre em contato com seu médico ou peça para algum familiar ir até o posto de saúde para buscar uma receita com validade ampliada, principalmente no período de outono e inverno. Isso reduz o trânsito desnecessário nos postos de saúde e farmácias.

Já existe tratamento contra o coronavírus (COVID-19)?
Não. Os médicos tratam os sintomas para evitar o agravamento da doença e reduzir o desconforto. Enquanto isso diversas pesquisas estão em andamento ao redor do mundo para encontrar um tratamento com eficácia comprovada.

Como é definido um caso suspeito de coronavírus?

Definições de Casos Operacionais

1. CASO SUSPEITO DE DOENÇA PELO CORONAVÍRUS 2019 (COVID-19)
  • Situação 1 – VIAJANTE: pessoa que, nos últimos 14 dias, retornou de viagem internacional de qualquer país E apresente:
    • Febre E
    • Pelo menos um dos sinais ou sintomas respiratórios (tosse, dificuldade para respirar, produção de escarro, congestão nasal ou conjuntival, dificuldade para deglutir, dor de garganta, coriza, saturação de O2 < 95%, sinais de cianose, batimento de asa de nariz, tiragem intercostal e dispneia) ; OU
  • Situação 2 – CONTATO PRÓXIMO: pessoa que, nos últimos 14 dias, teve contato próximo de caso suspeito ou confirmado para COVID-19 E apresente:
    • Febre OU
    • Pelo menos um sinal ou sintoma respiratório (tosse, dificuldade para respirar, produção de escarro, congestão nasal ou conjuntival, dificuldade para deglutir, dor de garganta, coriza, saturação de O2 < 95%, sinais de cianose, batimento de asa de nariz, tiragem intercostal e dispneia).
2. CASO PROVÁVEL DE DOENÇA PELO CORONAVÍRUS 2019 (COVID-19)
  • Situação 3 – CONTATO DOMICILIAR: pessoa que, nos últimos 14 dias, resida ou trabalhe no domicílio de caso suspeito ou confirmado para COVID-19 E apresente:
    • Febre OU
    • Pelo menos um sinal ou sintoma respiratório (tosse, dificuldade para respirar, produção de escarro, congestão nasal ou conjuntival, dificuldade para deglutir, dor de garganta, coriza, saturação de O2 < 95%, sinais de cianose, batimento de asa de nariz, tiragem intercostal e dispneia) OU
    • Outros sinais e sintomas inespecíficos como: fadiga, mialgia/artralgia, dor de cabeça, calafrios, gânglios linfáticos aumentados, diarreia, náusea, vômito, desidratação e inapetência.
3. CASO CONFIRMADO DE DOENÇA PELO CORONAVÍRUS 2019 (COVID-19)
  • LABORATORIAL: caso suspeito ou provável com resultado positivo em RT-PCR em tempo real, pelo protocolo Charité.
  • CLÍNICO-EPIDEMIOLÓGICO: caso suspeito ou provável com histórico de contato próximo ou domiciliar com caso confirmado laboratorialmente para COVID-19, que apresente febre OU pelo menos um dos sinais ou sintomas respiratórios, nos últimos 14 dias após o contato, e para o qual não foi possível realizar a investigação laboratorial específica.
4. CASO DESCARTADO DE DOENÇA PELO CORONAVÍRUS 2019 (COVID-19)
  • Caso que se enquadre na definição de suspeito E apresente resultado laboratorial negativo para SARS-CoV2 OU confirmação laboratorial para outro agente etiológico.
5. CASO EXCLUÍDO DE DOENÇA PELO CORONAVÍRUS 2019 (COVID-19)
  • Diante do aumento de registros na base de dados do FORMSUS2, serão classificados como excluídos aqueles que apresentarem duplicidade OU que não se enquadram em uma das definições de caso acima.
6. CASO CURADO DA DOENÇA PELO CORONAVÍRUS 2019 (COVID-19)
  • Diante das últimas evidências compartilhadas pela OMS e países afetados, o Ministério da Saúde define que são curados:
    • Casos em isolamento domiciliar: casos confirmados que passaram por 14 dias em isolamento domiciliar, a contar da data de início dos sintomas E que estão assintomáticos.
    • Casos em internação hospitalar: diante da avaliação médica.

    Observação: a liberação do paciente deve ser definida de acordo com o Plano de Contingência local, a considerar a capacidade operacional, podendo ser realizada a partir de visita domiciliar ou remota (telefone ou telemedicina).

DEFINIÇÕES E OBSERVAÇÕES

  • FEBRE:
    • Considera-se febre temperatura acima de 37,8°
    • Alerta-se que a febre pode não estar presente em alguns casos como por exemplo: em pacientes jovens, idosos, imunossuprimidos ou que em algumas situações possam ter utilizado medicamento antitérmico. Nessas situações, a avaliação clínica deve ser levada em consideração e a decisão deve ser registrada na ficha de notificação.
    • Considerar a febre relatada pelo paciente, mesmo não mensurada.
  • CONTATO PRÓXIMO DE CASOS SUSPEITOS OU CONFIRMADOS DE COVID-19:
    • Uma pessoa que teve contato físico direto (por exemplo, apertando as mãos);
    • Uma pessoa que tenha contato direto desprotegido com secreções infecciosas (por exemplo, gotículas de tosse, contato sem proteção com tecido ou lenços de papel usados e que contenham secreções);
    • Uma pessoa que teve contato frente a frente por 15 minutos ou mais e a uma distância inferior a 2 metros;
    • Uma pessoa que esteve em um ambiente fechado (por exemplo, sala de aula, sala de reunião, sala de espera do hospital etc.) por 15 minutos ou mais e a uma distância inferior a 2 metros;
    • Um profissional de saúde ou outra pessoa que cuide diretamente de um caso de COVID-19 ou trabalhadores de laboratório que manipulam amostras de um caso de COVID-19 sem Equipamento de Proteção Individual (EPI) recomendado, ou com uma possível violação do EPI;
    • Um passageiro de uma aeronave sentado no raio de dois assentos de distância (em qualquer direção) de um caso confirmado de COVID-19; seus acompanhantes ou cuidadores e os tripulantes que trabalharam na seção da aeronave em que o caso estava sentado.
  • CONTATO DOMICILIAR DE CASO SUSPEITO OU CONFIRMADO DE COVID-19:
    • Uma pessoa que resida na mesma casa/ambiente. Devem ser considerados os residentes da mesma casa, colegas de dormitório, creche, alojamento etc.

Qualquer hospital pode receber paciente com coronavírus?
Acesse aqui a lista de hospitais e postos de saúde que prestam atendimento em seu estado/município.
Quais os Laboratórios de referência para o Coronavírus?
Todos os laboratórios públicos ou privados que identificarem casos confirmados pela primeira vez, adotando o exame específico para SARS-CoV2 (RT-PCR, pelo protocolo Charité), devem passar por validação de um dos três laboratórios de referência nacional, são eles:

1. Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz/RJ) OU

2. Instituto Evandro Chagas da Secretaria de Vigilância em Saúde (IEC/SVS) no Estado do Pará OU

3. Instituto Adolfo Lutz da Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo.

Após a validação da qualidade, o laboratório passará a ser considerado parte da Rede Nacional de Alerta e Resposta às Emergências em Saúde Pública (REDE CIEVS). Os mesmos devem encaminhar alíquota da amostra para o Banco Nacional de Amostras de Coronavírus, para investigação do perfil viral do Coronavírus no território nacional, por meio de um dos três laboratórios nacionais acima.

Quando devo usar máscara?
Use máscara se estiver tossindo ou espirrando para evitar transmitir vírus para outras pessoas.

Para pessoas saudáveis, use máscara somente se estiver cuidando de uma pessoa com doenças respiratórias.

As máscaras são eficazes somente quando usadas em combinação com a limpeza frequente as mãos com água e sabão ou higienizadas com álcool em gel 70%.

Após usar a máscara, descarte-a em local adequado e lave as mãos.

Em todas as situações recomendadas, utilize a máscara do tipo cirúrgico. A máscara N95 é de uso dos profissionais de saúde e é fundamental para sua proteção. Há risco de faltar, caso a população compre também

Vou viajar para um local com casos de coronavírus (COVID-19). O que faço?
Avalie a necessidade real da viagem e adie, se possível. Se for inevitável, previna-se e siga as orientações das autoridades de saúde locais.
Voltei de viagem internacional. O que faço?
Recomenda-se isolamento domiciliar voluntário por 7 dias após o desembarque, mesmo que não tenha apresentado os sintomas.

Reforce os hábitos de higiene, como lavar as mãos com água e sabão. Caso apresente sintomas de gripe, siga as orientações do Ministério da Saúde para isolamento domiciliar.

Voltei de viagem doméstica. O que faço?
Recomenda-se isolamento domiciliar voluntário por 7 dias após o desembarque, mesmo que não tenha apresentado os sintomas.

Reforce os hábitos de higiene, como lavar as mãos com água e sabão.

Caso apresente sintomas de gripe, siga as orientações do Ministério da Saúde para isolamento domiciliar.

Estou com sintomas de gripe. O que devo fazer?
Se você está com sintomas de gripe, fique em casa por14 dias e siga as orientações do Ministério da Saúde para o isolamento domiciliar.

Só procure um hospital de referência se estiver com falta de ar.

Há um caso de coronavírus confirmado na minha casa. Como fazer o isolamento domiciliar?
Pessoas com diagnóstico confirmado de coronavírus precisam ficar em isolamento domiciliar. Veja como proteger sua família:

  • A distância mínima entre o paciente e os demais moradores é de 1 metro.
  • No quarto usado para o isolamento, mantenha as janelas abertas para circulação do ar, a porta fechada durante todo o isolamento e limpe a maçaneta frequentemente com álcool 70% ou água sanitária.

Atenção! Em casas com apenas um quarto, os demais moradores devem dormir na sala, longe do paciente infectado.

Itens que precisam ser separados:

  • O lixo produzido pelo paciente contaminado precisa ser separado e descartado.
  • Toalhas de banho, garfos, facas, colheres, copos e outros objetos usados pelo paciente.
  • Sofás e cadeiras também não podem ser compartilhados.
  • Os móveis da casa precisam ser limpos frequentemente com água sanitária ou álcool 70%.

Condutas para a pessoa contaminada:

  • Utilize máscara o tempo todo.
  • Se for preciso cozinhar, use máscara de proteção, cobrindo boca e nariz todo o tempo.
  • Depois de usar o banheiro, nunca deixe de lavar as mãos com água e sabão e sempre limpe vaso, pia e demais superfícies com álcool ou água sanitária para desinfecção do ambiente.

Condutas de todos os moradores:

  • Se uma pessoa da casa tiver diagnóstico positivo, todos os moradores ficam em isolamento por 14 dias também.
  • Caso outro familiar da casa também inicie os sintomas leves, ele deve reiniciar o isolamento de 14 dias. Se os sintomas forem graves, como dificuldade para respirar, ele deve procurar orientação médica.
Há riscos maiores para grávidas?
Ainda não existem dados específicos, mas elas passam por mudanças imunológicas que podem deixá-las mais vulneráveis.
Posso frequentar estádios, teatros, shoppings, shows, cinemas e igrejas?
Não é recomendado, principalmente para quem tem mais de 60 anos, alguma doença crônica ou sintomas de doenças respiratórias.

Os organizadores ou responsáveis por eventos de grande massa devem cancelar ou adiar, se houver tempo hábil. Não sendo possível, recomenda-se que o evento ocorra sem público. Não sendo possível, os organizadores devem cumprir os requisitos previstos na Portaria n.º 1.139, de 10 de junho de 2013.

Tenho uma empresa. O que devo fazer?
  • Disponibilize locais para lavar as mãos com frequência, dispenser com álcool em gel 70% e toalhas de papel descartáveis.
  • Amplie a frequência de limpeza de pisos, corrimãos, maçanetas e banheiros com álcool 70% ou solução de água sanitária.
  • Incentive a realização de reuniões virtuais, cancele viagens não essenciais e, se possível, faça um rodízio com os funcionários e permita o trabalho remoto (home office).
  • Adote horários alternativos para entrada dos funcionários e faça escalas de forma que não estejam todos ao mesmo tempo no local.
  • Funcionários doentes devem ficar em casa. Facilite a comprovação do atestado, evitando que eles compareçam à empresa.
  • Caso necessite de material de orientação para prevenção do vírus, acesse saude.gov.br/coronavirus
Quais as orientações para as instituições de ensino?
Planeje antecipação das férias, visando reduzir o prejuízo do calendário escolar, ou utilize ferramentas de ensino a distância.
Tem algum risco em andar de táxi, metrô, trem e ônibus?
Recomenda-se evitar. Se não puder, evite horário de pico, tente manter uma distância segura de uma pessoa para outra e redobre os cuidados com a higiene.
Vitaminas D e C ou água com limão previnem o coronavírus (COVID-19)?
Nenhuma delas. Não existe vitamina, terapia alternativa ou remédio licenciado capaz de evitar o contágio ou tratar a doença.
Animais de estimação transmitem coronavírus (COVID-19)?
Ainda não existem evidências nesse sentido.
O Brasil está preparado para enfrentar o coronavírus (COVID-19)?
Antes mesmo da Organização Mundial de Saúde (OMS) confirmar a epidemia na China, o Brasil já havia identificado o surto.

Diante deste cenário, foram realizados boletins epidemiológicos diários, materiais para a vigilância, instruções de procedimentos da doença e fortalecimento da rede laboratorial.

Além disso, foi criado um site (saude.gov.br/coronavirus) para esclarecer as dúvidas da população e de profissionais de saúde.

Nosso país possui um Plano de Contingência em todo o território nacional que prevê ações para uma transmissão da doença local ou ampliada, de acordo com as medidas previstas pelo protocolo mundial.